quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

o que é evidente, mente

Tudo são evidências nos textos e nos debates, nas políticas e nas reformas educativas. Ninguém tem dúvidas. Todos têm certezas. Definitivas. Evidências do senso comum. Falsas evidências. Continuamente desmentidas. Continuamente repetidas.

[…]

Quando se trata de educação, nenhum político tem dúvidas, nenhum comentador se engana, nenhum português hesita. Palavras gastas. Inúteis. Banalidades. Mentiras. O que é evidente, mente. Evidentemente.

Tudo isto nasce de um equívoco, tantas vezes denunciados e sempre ignorado: a educação nunca fez e nunca realizará uma mudança revolucionária (Pierre Furter, 1970). É outra a força da educação. É outra a sua importância. Cultura. Arte. Ciência. Lucidez. Razão. Invenção.

António Nóvoa (2005), Evidentemente. Porto Edições ASA, p. 14

1 comentário:

  1. Muito bom texto, muito boa colecta estás tu a fazer, abraço

    ResponderEliminar